Receba sua Proposta Técnica Comercial

    Adicionar Unidade

    NR 33 – O que a sua empresa precisa saber sobre Segurança em Espaços Confinados

    Espaços Confinados sempre são uma preocupação para equipes de SSMA (Saúde Ocupacional, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente). Para orientar atividades profissionais nestes espaços existe a Norma Regulamentadora 33. Mas antes de entrar nos detalhes da NR 33, vamos entender o que são e onde estão os chamados Espaços Confinados.

     

    Definindo um Espaço Confinado

     

    Espaços Confinados são áreas ou locais não projetados para ocupação humana de forma contínua, que apresentam limites de entrada e saída, ventilação insuficiente para remover contaminantes e que possa ter deficiência ou enriquecimento de oxigênio. Exemplos: túneis de manutenção, tanques, galerias subterrâneas , caixas d’água, caldeiras, silos de armazenagem, etc.

     

     

    Segmentos que possuem Espaços Confinados

     

    – Indústria de papel e celulose;

    – Indústria gráfica;

    – Indústria alimentícia;

    – Indústria de borracha, de couro e têxtil;

    – Indústria naval e operações marítimas;

    – Indústrias químicas petroquímicas;

    – Serviços de gás, eletricidade, água e esgoto;

    – Serviços de telefonia;

    – Construção civil;

    – Beneficiamento de minérios;

    – Siderúrgicas e metalúrgicas;

    – Agricultura;

    – Agroindústria.

     

     

    Atividades realizadas em Espaço Confinado

     

    – Obras da construção civil e naval;

    – Operações de salvamento e resgate;

    – Manutenção, reparo, limpeza e inspeção de equipamentos, reservatórios e afins.

     

    Como deve ser formada a equipe de trabalho em Espaços Confinados.

     

    Trabalhadores Técnicos e Autorizados: o número de profissionais é definido pela análise de risco;

    – Responsável Técnico: Pessoa indicada pelo empregador para dar cumprimento às normas da NR 33;

    Supervisor de Entrada: Responsável por emitir Permissões de Entrada e Trabalho (PET) antes do início das atividades, assegurar que os serviços de emergência e salvamento estejam disponíveis e prontos para serem acionados a qualquer momento, cancelar os procedimentos de entrada e trabalho quando necessário, e encerrar a PET após o término dos serviços;

    Vigia: Responsável por manter a contagem dos trabalhadores envolvidos nos espaços confinados e assegurar que saiam do local ao término da atividade. Deve permanecer fora do espaço, junto à entrada, durante todo o tempo, mantendo contato com os trabalhadores, além de seguir os procedimentos de emergência e salvamento, se necessário, e ordenar abandono do espaço em caso de qualquer sinal de risco.

     

    O que a NR 33 determina para o empregador:

     

    – Indicar formalmente o responsável técnico pelo cumprimento da NR 33;

    – Identificar os espaços confinados existentes;

    – Identificar os riscos específicos de cada espaço confinado;

    – Implementar a gestão em Segurança e Saúde no Trabalho em espaços confinados, por medidas técnicas de prevenção, administrativas, pessoais e de emergência e salvamento, para garantir permanentemente ambientes com condições adequadas de trabalho;

    – Garantir a capacitação continuada dos trabalhadores sobre os riscos, as medidas de controle, de emergência e salvamento em espaços confinados;

    – Garantir que o acesso ao espaço confinado somente ocorra após a emissão, por escrito, da Permissão de Entrada e Trabalho (PET), conforme modelo constante no anexo II da NR 33;

    – Fornecer às empresas contratadas informações sobre os riscos nas áreas onde desenvolverão suas atividades e exigir a capacitação de seus trabalhadores;

    – Acompanhar a implementação das medidas de Segurança e Saúde dos trabalhadores das empresas contratadas, provendo os meios e as condições para que possam atuar em conformidade com a NR 33;

    – Interromper todo e qualquer tipo de trabalho em caso de suspeição de condição de risco grave e iminente, procedendo ao imediato abandono do local;

    – Garantir informações atualizadas sobre os riscos e as medidas de controle antes de cada acesso aos espaços confinados.

     

     

    O que a NR 33 determina para o colaborador:

     

    – Colaborar com a empresa no cumprimento da NR 33;

    – Utilizar adequadamente os meios e os equipamentos fornecidos pela empresa;

    – Comunicar ao Vigia e ao Supervisor de Entrada as situações de risco para sua segurança e saúde ou de terceiros, que sejam do seu conhecimento;

    – Cumprir os procedimentos e as orientações recebidos nos treinamentos com relação aos espaços confinados.

     

     

    O que é preciso para o trabalho em Espaços Confinados, de acordo com a NR 33:

     

    Capacitação obrigatória

    Deve ser realizada anualmente e devem ser ministradas por instrutores com proficiência comprovada no assunto. A carga horária pode variar de acordo com a atuação do trabalhador:

    Trabalhadores Autorizados e Vigias – inicial no mínimo 16h e anual no mínimo 8h;

    Supervisores de Entrada – inicial no mínimo 40h e anual no mínimo 8h.

     

    Equipamentos 

    – Equipamento de sondagem inicial e monitoração contínua da atmosfera, calibrado e testado antes do uso, aprovado por órgãos credenciados no INMETRO;

    – Equipamento de ventilação mecânica para obter condições de entrada aceitáveis, por meio de insuflamento e/ou exaustão de ar;

    – Equipamentos de comunicação, intrinsecamente seguro aprovado por órgãos credenciados pela INMETRO;

    – Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e movimentadores de pessoas seguros em áreas classificadas;

    – Equipamento para atendimento pré-hospitalar;

    – Equipamentos de iluminação aprovado por órgãos credenciados pelo INMETRO.

     

    Emergência e salvamento

     

    O empregador deve elaborar e implementar procedimentos de emergência e resgate

    adequados aos espaços confinados incluindo descrições dos possíveis cenários de acidentes que são obtidos a partir da análise de riscos, descrição das medidas de salvamento e primeiros socorros em caso de emergência, seleção de técnicas e equipamentos de comunicação, iluminação, de emergência, busca, resgate, primeiros socorros e transporte de vítimas, acionamento de equipe responsável pública ou privada, pela execução das medidas de resgate e primeiros socorros e realizar exercício simulado anual de salvamento nos possíveis cenários de acidentes dentro da organização.

     

    O cumprimento da NR 33 evita acidentes de trabalho, garante a segurança do trabalhador e evita autuações para a empresa.

    As soluções da GAP Sistemas são um apoio importante para atender às exigências da NR 33 em relação ao trabalho de terceiros

     

    A GAP Sistemas desenvolveu tecnologias que facilitam o trabalho de SSMA no atendimento à Norma Regulamentadora 33. O GEEQUIP é um software preparado para a Gestão de Equipamentos de Emergência, ideal para manter o processo de inspeção e manutenção de equipamentos de segurança para Espaços Confinados. E para a Gestão de Empresas Contratadas, a GAP Sistemas oferece o GEC, solução que reúne a documentação e as ferramentas necessárias para aprimorar e manter o gerenciamento de colaboradores terceirizados.

     

    A combinação entre as duas soluções tornam mais eficazes os resultados para a saúde e a segurança de atividades realizadas em Espaços Confinados.

     

    Em nosso blog, você também encontra um artigo especial sobre a Norma Regulamentadora 35, entre outros assuntos que podem contribuir para a Segurança do Trabalho, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente da sua empresa.

     

    Siga também as nossas redes sociais:

    FacebookInstagram e LinkedIn.