Receba sua Proposta Técnica Comercial

    Adicionar Unidade

    Como funciona o gerenciamento de perigos e riscos para SSMA?

    Em qualquer atividade, existem riscos. Eles podem aparecer em diversos formatos e maneiras e atingir diferentes áreas de uma empresa. No entanto, o trabalho de SSMA também envolve a sua antecipação e o gerenciamento de riscos. 

     

    Segundo dados de 2017 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), 2,78 milhões de acidentes mortais ocorrem no trabalho anualmente em todo o mundo. São cerca de 7.700 mortes por doenças ou acidentes relacionados ao labor. Além disso, existem cerca de 374 milhões de lesões e doenças não fatais relacionadas ao trabalho a cada ano. Muitas delas resultam em ausências prolongadas no trabalho.

     

    Neste artigo vamos mostrar mais sobre como funciona o gerenciamento de perigos e riscos, as regulações sobre o tema e o que você precisa levar em consideração na hora de montar um plano para sua empresa. Continue a leitura!

    Já conhece a norma ABNT ISO 45001?

    As legislações referentes à saúde e à segurança dos trabalhadores têm se tornado cada vez mais exigentes. Por isso, então, implementar o gerenciamento de perigos e riscos passa a ser uma necessidade para atender as demandas legais, além de toda a sua importância para garantir um excelente ambiente de trabalho para os profissionais da empresa.

     

    Até 2018,  a Organização Internacional de Normatização (ISO) utilizava a norma OHSAS 18001, focada na Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. É uma certificação como a ISO 9001 e a ISO 14001, por exemplo.

     

    Naquele mesmo ano o órgão fez uma atualização, substituindo a OHSAS 18001 pela ISO 45001, conforme publicou a ABNT. Essa nova normativa estabelece um conjunto robusto e efetivo de processos para melhorar a segurança do trabalho nas cadeias de suprimentos globais. Foi projetada para auxiliar organizações de todos os tamanhos e indústrias a melhorar seus processos. O objetivo é reduzir lesões e doenças no local de trabalho em todo o mundo.

     

    Para entender um pouco mais sobre a aplicação da ISO 45001 ao plano de gerenciamento de perigos e riscos é preciso entender inicialmente esses dois conceitos.

     

    O conceito de perigo

     

    O perigo  é entendido como uma fonte, uma situação ou um ato causador de lesões ou danos à saúde. No ambiente industrial, existem materiais, aspectos, condições ou situações por toda parte que possuem o potencial prejudicial para ser conceituado como perigo. Veja só alguns exemplos:

     

    – espaço físico do ambiente de trabalho;

    – equipamentos, máquinas e objetos;

    – produtos e substâncias;

    – os próprios trabalhadores;

    – sistemas de trabalho;

    – entre outros.

     

    O perigo, por si só, não representa risco. No entanto, existe a possibilidade devido a essa exposição. É aí que entra o próximo conceito.

     

    O conceito de risco

     

    Já o risco é definido pela norma ISO 45001 como a combinação da probabilidade de ocorrência de eventos ou exposições perigosas relacionadas aos trabalhos, com a gravidade das lesões e problemas de saúde que podem ser causados pela exposição ou evento.

     

    É uma medida de incerteza, considerando as consequências e as possibilidades desses efeitos acontecerem. O grau de risco pode ser definido considerando: o tempo de exposição, a intensidade ou concentração e a natureza do agente ou fator de risco. 

     

    Os tipos de riscos também podem ser classificados em 5 grupos: 

     

    Riscos físicos

    Aqueles relacionados à exposição do trabalhador ao calor, ao frio, ao ruído, à radiações, à pressão, à umidade, entre outros fatores.

     

    Riscos químicos

    Considera as substâncias ou produtos que possam penetrar o organismo do profissional pela via respiratória, cutânea ou por ingestão. 

     

    Riscos biológicos

    Relacionado a bactérias, vírus, fungos, parasitas, entre outros. 

     

    Riscos de acidentes/mecânicos

    Normalmente é o tipo mais lembrado, relacionado aos fatores que colocam o bem estar físico e psíquico do trabalhador em posição vulnerável. Exemplos: equipamentos e máquinas sem proteção, probabilidade de incêndio e explosão, armazenamentos inadequados etc.

     

    Riscos ergonômicos

    Fatores que provocam desconforto ou afetam a saúde do trabalhador, como levantamento de peso, ritmo excessivo de trabalho, monotonia, repetitividade, postura inadequada etc.

     

    CONHEÇA TAMBÉM: NR 12 – Como a tecnologia pode ajudar a atender às exigências da Norma Regulamentadora?

    Como elaborar um plano de gerenciamento de perigos e riscos?

    Essa é a parte mais complexa dessa tarefa! Muitos elementos estão envolvidos, mas o mais importante é considerar os seguintes tópicos:

     

    evento: o que pode acontecer?

    probabilidade: com que frequência pode acontecer?

    impacto: o que esse evento pode gerar?

    mitigação: como reduzir a possibilidade desse evento acontecer?

    contingência: como reduzir o impacto e os efeitos desse evento?

     

    Definindo esses elementos para cada perigo existente e risco envolvido, é possível determinar quais são mais ou menos prováveis, quais geram maiores ou menores impactos;  traçar ações para impedir de acontecer ou diminuir impactos; prever quais as possíveis consequências residuais; atualizar o plano de gerenciamento para ser ainda mais eficiente.

     

    FIQUE POR DENTRO: Entenda a Lei do Uso de EPIs e a NR6

     

    Utilize a tecnologia como aliada da área de SSMA

    Para que seu time de SSMA conquiste resultados ainda melhores, é preciso aproveitar melhor o tempo de trabalho, automatizar as tarefas repetitivas e simplificar os processos de gestão de responsabilidade da área, não é mesmo? Parece uma missão complexa, mas a tecnologia deve ser uma grande aliada. 

     

    Ferramentas digitais completas de gestão de equipamentos ou de gestão de terceirizadas, por exemplo, tornam o trabalho mais ágil, com informações mais completas, e facilitam a tomada de decisões baseada em dados. Isso facilita e muito na hora de colher informações para desenvolver os planos de gerenciamento de perigos e riscos, além de conseguir executar com mais clareza e controle.

    Continue acompanhando o blog da GAP

    A GAP Sistemas é uma startup focada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para as áreas de Segurança do Trabalho, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente.

     

    No nosso blog, acompanhe diversos conteúdos interessantes sobre indústria 4.0, SSMA, terceirização, tendências para o setor industrial e muito mais.

     

    Aproveite para seguir a GAP Sistemas nas redes sociais: Facebook, Instagram e LinkedIn.